10 livros para entender a realidade das mulheres ontem e hoje – Parte 2

Vamos continuar com a lista dos livros para aprender mais sobre a história da independência das mulheres perante a sociedade machista durante os anos. Veja só!

  1. “Mulheres, Violência e Justiça no Século XIX” – Marinete A. Z. Rodrigues

Uma ampla pesquisa sobre processos criminais e inventários envolvendo mulheres de todos os estratos sociais e etnias (ricas, pobres, trabalhadoras, livres, escravas, brancas, negras, indígenas) no século 19 mostra que as relações de dominação masculina e “domesticação” feminina regiam até a Justiça naquela época. Há, ainda, um recorte que evidencia que a violência contra as mulheres fazia parte da cultura da época. (Só da época?)

  1. “O Mito da Beleza” – Naomi Wolf

De que maneira e até que ponto as imagens e ideais de beleza apresentados pelas indústrias da moda e da publicidade são usados contra as mulheres? Este é o ponto de partida da norte-americana no livro, publicado em 1991. São analisadas seis áreas da vida contemporânea e sua relação com os ideais de beleza: emprego, cultura, religiosidade, sexualidade, distúrbios alimentares e cirurgias plásticas. E, assim, ela levanta o debate de que a atenção exagerada à beleza feminina impede que as mulheres conquistem mais poder real na sociedade.

  1. “História das Relações de Gênero” – Peter N. Stearns

Historiador que é, Stearns traça um panorama sobre o que ocorre com as ideias de relações entre homens e mulheres quando diferentes culturas entram em contato. Da pré-história ao século atual, ele se debruça sobre encontros culturais significativos, como o impacto do islamismo do Oriente Médio sobre a Índia e a África, a influência da colonização europeia nas Américas, na Índia, na África e na Oceania, o papel das ações internacionais recentes no Oriente Médio. Isso tudo tem a ver com a visão e o papel da mulher na sociedade global de uma forma até bastante óbvia, mas que acabamos deixando passar. Ler uma análise tão completa é incrível.

  1. “Mística Feminina” – Betty Friedan

É um dos livros mais importantes e mais polêmicos do feminismo no século 20 – seu subtítulo em português é nada menos que “O livro que inspirou a revolta das mulheres americanas”, vai vendo. Publicado em 1963, ele é o resultado de um estudo que envolveu centenas de entrevistas com mulheres que eram exclusivamente donas-de-casa, empresários, médicos e publicitários. A ideia foi mostrar o quão nocivo é a mulher ser criada para ser mãe e esposa, sem o desenvolvimento de habilidades próprias e extras, uma vez que com o passar dos anos essas mulheres desenvolviam distúrbios psicológicos como depressão e consumismo.

  1. “Feminismo e Política” – Flávia Biroli e Luis F. Miguel

Aqui são apresentadas e discutidas as principais contribuições da política feminista desde os anos 1980. De que forma os debates são colocados dentro do próprio feminismo? Quais são as principais autoras do movimento e a que corrente cada uma pertence? Tudo é bem respondido, de uma forma simpática, para leitores pouco familiarizados com o tema. Um bom livro para conhecer melhor o feminismo e ver que ele não é nenhum bicho de sete cabeças.

Fonte: M de Mulher